Geral

Janis Joplin em Copacabana. Se estivesse viva, hoje a cantora completaria 70 anos.

Considerada a “Rainha do Rock and Roll” e “a maior cantora de blues e soul da sua geração”, foi influenciada por grandes nomes do jazz e do blues, fazendo de sua voz a sua característica mais marcante, tornando-se um dos ícones do rock psicodélico e dos anos 60.

Ela foi eleita o garoto mais feio do colégio. Desde cedo abusava no uso de uísque, maconha, anfetaminas, ácido, tabaco, vodca, cocaína, metadona, heroína. Seu único namorado fixo morreu no Vietnã. Ela arrancava as roupas no palco e costumava reclamar que, depois de “fazer amor” com mil pessoas num show, voltava para seu quarto e dormia sozinha.

Cultivando uma postura rebelde, Joplin se vestia como os poetas da geração beat. Mudou-se do Texas para San Francisco em 1963 e trabalhou como cantora folk. Por volta desta época seu uso de drogas aumentou. Janis sempre bebeu muito e sua preferida era a bebida Southern Comfort. O uso de drogas chegou a ser mais importante para ela do que sua carreira como cantora, arruinando sua saúde.

Janis Joplin esteve no Brasil em fevereiro de 1970, na tentativa de se livrar do vício da heroína. Durante a sua estadia, fez topless na praia de Copacabana, bebeu muito, cantou em um bordel, foi expulsa do Hotel Copacabana Palace por nadar nua na piscina e quase foi presa, pelas suas atitudes na praia terem sido consideradas “fora do normal”. Como estava na época do carnaval, tentou participar de um desfile de escola de samba, porém teve seu acesso negado por um segurança que desconfiou de sua aparência hippie. Janis também teve uma breve, porém intensa, relação amorosa com o rockeiro brasileiro Serguei.

No dia 3 de outubro de 1970, Janis visitou seu estúdio em Los Angeles e pela noite foi para o hotel. No dia das gravações (4 de outubro) não apareceu no estúdio, então o empresário John Cooke foi procurá-la, encontrando-a morta, vítima de overdose de heroína possivelmente combinada com álcool. Sua morte ocorreu quando tinha apenas 27 anos e suas cinzas foram espalhadas pelo Oceano Pacífico.

Foto: Revista Trip
Texto de Diego Vieira
Administração Imagens Históricas

Um comentário em “”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s